segunda-feira, 1 de maio de 2006

Claro mistério do ser todos os dias a renascer, eternamente a se renovar.

Ultimamente eu ando tão inconstante [ou será cansada?] diante das coisas que já enjoei até do último post. Feito ontem. Talvez porque aquilo tudo já está tão distante, tão escasso que me coça a mão vir aqui e fazer algo novo. Então, eu vim. =)
Nem sei mesmo sobre o que escrever. Sei apenas da necessidade. Estou cansada do velho. Do que está parado. Eu quero mesmo é movimento. Quero sair andando, conhecendo. Encontrando. Chega de esperar!
Preciso começar a fazer o que me agrada. Seguir o que se apresenta à minha frente. Deixar pra trás todo esse cansaço causado por medo, orgulho e egoísmo. Não meus. [suspiro]. Não meus. Creio que as coisas estão sempre nas nossas mãos. Sempre ao nosso alcance. Tudo bem, talvez nem tudo, mas a grande maioria. E quanto a isso, eu posso. Eu vou. "Partir, andar, eis que chega. É essa velha hora tão sonhada. Das noites de velas acessas, do clarear da madrugada."
Eu quero tudo novo. Ou melhor, eu quero O novo. E dessa vez, eu não preciso buscá-lo. Por que ele chegou sozinho! E está apenas esperando a minha resposta. A minha opinião. E diante disso, talvez antes muito temido, diante disso, eu preciso ir. Eu, dessa vez, não posso ficar parada. Não posso mais pensar e pensar e pensar. E dar chance. E ter paciência. Eu preciso pensar um pouco em mim. Eu preciso querer aquilo que me agrada. Que zela por mim. Toma conta de mim. E assim será.
"Aponta pra fé e rema." Até os mais lindos [pra quem ainda não sabe: Los Hermanos. Ah! Eu vou ao show. EU VOU AO SHOW!!!!] dizem isso aos 4 ventos! "É, pode ser que a maré não vire, pode ser do vento vir contra o cais e se já não sinto os teus sinais, pode ser da vida acostumar... " Sim, dessa vez a vida acostuma. Dessa vez a vida prefere seguir em frente.
"Livre serás se não te prendem, constelações. Então verás que não se vendem, ilusões."
"Vem que eu estou tão só, vamos fazer amor, vem me trazer o sol... Vem me livrar do abandono, meu coração não tem dono, vem me aquecer nesse outono, deixa entrar o sol." E pra finalizar, um trechinho de uma música que está presente nos dias... Noites com Sol, do sensacional Flávio Venturini. Ela fala por si só, fato típico das grandes canções. E nesse momento, ela traduz a minha grande vontade de dar lugar ao novo. De ir embora. De ancorar em outro cais.
"No mais, estou indo embora."
Até, amável leitor. Namastê. Dias melhores pra sempre. =)

4 comentários:

Anucha disse...

lindo tudo isso que vc escreve. viajei nas músicas. sai cantando tudo... beijos

Bia disse...

"Vc não sente não vê/Mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo/ Que uma nova mudança em breve, vai acontecer/O que há algum tempo era novo e jovem/Hoje é antigo/E precisamos todos rejuvenescer". Ai quantas músicas que cantam pra nós, né amiga??? Quanto coração pra cantar...Beijo nessa alma, obrigada por existir.

Rafael disse...

depois de segunda acho que não preciso nem dizer mais nada sobre isso, né??? mas uma coisa eu posso dizer com certeza: o show do los hermanos vai fazer muito bem pra vc!!! HAUhUAhUAHuaH!!!
beijões!!!

Cláudia Campelo disse...

Biavati, Biavati...
Mostrar disposição para o novo, e acolhê-lo, quando chega, é o que nos faz andar, a passos lentos ou rápidos, para a frente.
Beijo grande, sua fã de sempre.