sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

Tudo está quieto no Dia de Ano Novo, um mundo em branco está em andamento, e eu quero estar com você, estar com você noite e dia, nada muda...



Faz um tempo, eu sei. Deixei um pouco de lado, eu sei. Fazer o quê? Às vezes é necessário ficar distante de algumas coisas... Perdoa.

Tá quase no fim. E, dependendo de como se olha, tá quase chegando. Então, que venha. E venha com grandes momentos. Com grandes melhoras. Pra todos nós.

E por isso, faço meu balanço:

- Foi um bom ano.

- Infelizmente, no âmbito da amizade, o meu desandou um pouco... poderia ter sido muito melhor... aprendendo. Aprendido. Apreendido.

- Uniões. A melhor parte. Destaque para a união que mudou a minha vida. [Não é todo dia que se acha o seu amor...]

- Faculdade. Avanços, sem dúvida. Descaso, um bocado. Alegria, piada, festa, desentendimento, desgaste, trabalho. Descobertas!

- Erros: sem dúvida, muitos. Alguns graves [porém, poucos]. Outros, bestas. Servem pra crescer... e com certeza, isso aconteceu.

- Amor de verdade. É, fazia um tempo que não acontecia.

- Música! Em 2006, 2005, 2004, 2003... desde 1985!

- Palavras. Ah...! Sempre. Sempre.

- Família: chão. Não de giz. Esse é o chão mais duro que conheço.

- Uma dose extra de rebeldia, confesso. Saco cheio de muita coisa.

- 21 anos: a idade do juízo.
- Do estresse exacerbado ao descanso merecido.

- Que venha 2007 e traga tudo o que merecemos...

Agradeço a sua doce companhia...
Então, um poema que resume perfeitamente esse ano. Segue.
"O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de, vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo...
Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo.
Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender ...
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...
Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar ...
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar..."

O Meu Olhar - Alberto Caeiro
Até breve! Até ano que vem... =]

Um comentário:

Cristina disse...

E que venha 2007, Ela!
Blog lindo...parabéns!


www.tudooqueeusinto.zip.net