quarta-feira, 21 de setembro de 2005

O Fundo do Coração

Pois é. Tantas coisas pra colocar pra fora. Só aqui mesmo isso é possível. Segue.

Pra começar, hoje me peguei estudando letras dos Los Hermanos. [Como assim!?] É isso mesmo. E eis que me deparo com uma frase simplesmente sensacional: "Via em tudo céu. Fiz de tudo cais." Caraca. E é isso mesmo!!! Tudo é céu! Tudo é azul clarinho... Tão doce, tão calmo, tão sereno. Tudo é cais. Todos os lugares em que estou me trazem segurança [mesmo estando no RJ!!], por mais incerta que possa ser uma situação dessas. Engraçado até. Paradoxal de fato. Mas é isso mesmo. E aqui estou eu, mais uma vez, divagando, falando, escrevendo e pensando sobre isso... Como se fosse um assunto fácil de falar, como se os pensamentos não fugissem da minha mente... E mesmo assim, tudo é tão bonito. Pode falar. EU ESTOU BABACA. Tudo bem, eu admito. Mas não há nada tão maravilhoso quanto. =]

Quanto à real situação, as coisas progrediram. E é ótimo poder falar e saber disso. E a entrega se torna cada vez mais próxima. Confesso que ainda acho que determinadas coisas precisam acontecer, porque sempre desejamos saber o máximo possível, mas tudo está tão claro... Pelo menos pra mim. Tudo é muito claro. [Vamos à música!]. "E o que mais acontecer, nem mistério, nem destino, é somente amor, ser feliz é estar contigo. Eu não aprendi nos livros nem nos filmes de paixão, o que eu faço por você. Ser feliz é estar contigo mesmo que essa sensação não se deixe perceber." [O Que Eu Não Disse - Paralamas] Humpf. O único problema é que isso é sutil, silencioso. Está ali, presente a todo momento, mas calado. Torturante. Citando Djavan, "O que há dentro do meu coração, eu tenho guardado pra te dar... Um amor puro que ainda nem sabe a força que tem é teu e de mais ninguém. [Te adoro em tudo, tudo, tudo, quero mais que tudo, tudo, tudo te amar sem limites, viver uma grande história... Aqui ou noutro lugar que pode ser feio ou bonito, se nós estivermos juntos, haverá um céu azul...]" Vim pensando nessa música hoje de manhã, indo pra faculdade. Um puta engarrafamento na Linha Amarela [pra variar...]. E lá estava eu, babaca, idiota, retardada [ou se preferir, apaixonada], olhando o asfalto molhado de chuva e achando tudo muito lindo. Ai. E aqui continuo eu, da mesma maneira, esperando o telefone tocar [sim, ele vai tocar.], morrendo de sono, tendo 2 monografias pra fazer, tendo que estudar pra muitas provas, tendo que dormir [!!!], tendo que ligar pra minha amiga pq é niver dela hj [beijo, Dani!!!], tendo que sei lá mais o quê, e aqui ainda continuo, fazendo a única coisa que me deixa tão feliz: ai...

Citando Neruda tbm, pois necessariamente ele é sempre citado na minha vida, "how did your lips feel on mine?". Esse é um dos meus problemas. Lábios. Como podem mesmo fazer o estrago que fazem? Puta que pariu. Eu tô apaixonada. É isso. Preciso me convencer efetivamente. [Tá, pode pensar: 'ela ainda não se convenceu?'. Na verdade, eu demoro a admitir. Sempre procuro uma maneira que não seja essa.] Eu tô apaixonada, aqueles lábios me tentam sim, me causam tremores, me deixam com saudade, me tiram da normalidade. Aqueles lábios. Aqueles olhos. Aquele tudo.

Sigo. Odiei esse texto, mas, pode ter absoluta certeza de que se tratou de uma terapia escrevê-lo. Achei que ficou desconexo, louco, nada a ver com nada. Mas, aí está a cópia real dos meus atuais pensamentos. É assim que me sinto. Sem ordem. Sem rota. Sem direção. Porque tudo é lindo demais pra eu querer ser tão certinha dessa vez. Dane-se a ordem. Eu quero mesmo é que tudo seja assim. Porque é amor. E ele invade. E fim. Partiu. =]

2 comentários:

Anônimo disse...

Carol, entrei no teu blog por acaso, mas foi realmente uma gratíssima surpresa. Está sendo um exercício prazeroso de leitura.
Um abraço, e espero que tenhas sucesso.

Cláudia

Rafael disse...

aiai... naõ dá nem pra falar nada... eu acho q vou esperar um pouquinho, (tipo até domingo, sabe?) pra ver se eu vou poder acrescentar alguma coisa aqui... até lá eu só posso concordar com TUDO e te dizer pra ter calma... eu sei, e muito bem, q é difícil, mas seja uuma rocha, lembra? nada vai te abalar!
beijões!!!